MINISTRO A AGRICULTURA DE ITÁLIA: “NUTRI-SCORE É UM PERIGO REAL QUE PODE COMPROMETER O SISTEMA AGROALIMENTAR”

MINISTRO A AGRICULTURA DE ITÁLIA: “NUTRI-SCORE É UM PERIGO REAL QUE PODE COMPROMETER O SISTEMA AGROALIMENTAR”

O sistema de rotulagem Nutri-Score, que a Comissão Europeia pretende instituir, está a dar cada vez mais polémica. Depois do governo espanhol anunciar que quer retirar o azeite da lista de produtos que utilizam o sistema de rotulagem, e de a Sectorial Nacional del Aceite de Oliva Virgen Extra com Denominação de Origem Protegida (DOP) lançar uma petição que o azeite virgem seja elevado à categoria máxima do Nutri-Score, é a vez de Itália declarar guerra ao sistema. O ministro da Agricultura italiano, Stefano Patuanelli, declarou que “o objectivo é dar informações verdadeiras aos cidadãos. O sistema Nutri score é um perigo real que pode comprometer o sistema agroalimentar italiano”. E acrescentou que aquele sistema “é inconcebível, injustificado e inaceitável”, relembrando a importância do azeite na Dieta Mediterrânica.
No último Conselho de Agricultura, Stefano Patuanelli garantiu em Bruxelas: “vou lutar para resolver o problema do Nutri-score que penaliza nossos produtos e que também promove práticas que não estão em conformidade com a necessidade de reduzir o impacto dos alimentos no ambiente”.
Bateria NutrInform
Saliente-se que a Itália propôs o sistema de rotulagem Bateria NutrInform, que é avançado a nível europeu como uma alternativa ao Nutriscore, ao qual o governo italiano se opõe fortemente por “não ser científico” e ir “contra os princípios básicos da Dieta Mediterrânea.
Neste sistema, o rótulo indica as quantidades de energia, gordura, gordura saturada, açúcar e sal presentes em uma única porção do alimento. O símbolo “bateria” indica a percentagem de energia, gordura, gordura saturada, açúcar e sal fornecidos pela porção única em relação à ingestão diária recomendada. Os produtos DOP e IGP não entram neste sistema de rotulagem.
O Nutri-Score, rótulo que classifica os produtos alimentares mais e menos saudáveis, conferindo-lhes uma letra com um código, do verde escuro (A) ao vermelho escuro (E), está a gerar polémica entre os agricultores europeus. E porquê?
Perante tantas vozes contra este sistema de rotulagem, o agriculturaemar.com consultou o Open Food Facts, que reúne dados e informação sobre produtos alimentares de todo o Mundo, classificados pelo Nutri-score.
Resultado: há um azeite português classificado com a letra “D”, a menos saudável da escala, apesar de todos os outros estarem classificados com “C”, ainda assim, uma classificação inferior à de refrigerantes com zero açúcar que merece a letra “B”, ou à de uma embalagem de pudim de caramelo, com a letra “A”, a classificação mais saudável. Também a manteiga de amendoim é classificada com a letra “A”. Até a Fanta de uva está melhor colocada que o azeite, com a letra “B”.
Fonte: Agricultura e Mar Actual

Partilhe as nossas notícias


Concursos Gastronomia