Projectos PDR2020 apoiados

DESIGNAÇÃO DO PROJECTO: Valor Jarmelista – Valorização Territorial pela preservação da identidade e genética da raça jarmelista
CÓDIGO DO PROJECTO:
PDR 2020-1.0.1-FEADER-030753

OPERAÇÃO: 1.0.1. Grupos Operacionais

ID DA PARCERIA: 321 / Nº PARCEIROS: 7 / BENEFICIÁRIO LÍDER DA PARCERIA: Não

ENTIDADE COORDENADORA: ACRIGUARDA – Associação de Criadores de Ruminantes do Concelho da Guarda

ENTIDADE BENEFICIÁRIA PARCEIRA: ASSOCIAÇÃO QUALIFICA / ORIGIN PORTUGAL

OBJECTIVO PRINCIPAL: Valorização Territorial pela preservação da identidade e genética da raça jarmelista

REGIÂO DE INTERVENÇÃO: Centro

 

DATA DE APROVAÇÂO: 17/05/2017

DATA DE INICIO: 29/11/2016

DATA DE CONCLUSÃO: 03/04/2021

CUSTO TOTAL ELEGIVEL: 8.857,96€

APOIO FINANCEIRO DA UNIÂO EUROPEIA: 5.979,14€
APOIO FINANCEIRO PÚBLICO NACIONAL:
664,34€

 

OBJECTIVOS E RESULTADOS ESPERADOS:

  • A promoção da preservação genética e modo de produção sustentável da carne do Jarmelo:

– a identificação de correlação entre caracteres diferenciadores e perfil bioquímico/ reológico da carne do Jarmelo;

– a importância para a biodiversidade e sustentabilidade territorial da produção da carne do Jarmelo;

  • Desenvolver condições de identificação da carne do Jarmelo como elemento diferenciador na produção e comercialização de produtos cárneos;

– Analisar o posicionamento estratégico da carne do Jarmelo no mercado;

– Propor aumentos de competitividade na cadeia de valor pós-produção da carne do Jarmelo;

– Preparar uma estratégia que possam suportar o desenvolvimento de produtos de “carne do Jarmelo” em registos de qualidade.

  • Tornar a carne do Jarmelo como produto endógeno potenciador de atividade económica e valorização da região;

– Analisar os fatores de diferenciação territorial potenciados pela carne do Jarmelo;

– Incrementar atividade económica da região (turismo e cultura);

– Potenciar atividades de interesse cultural e ensaios culinários.

Com a criação deste projeto pretende-se alcançar a valorização territorial através da promoção carne de bovino da raça jarmelista, assumindo o fator de biodiversidade consequente da sua produção, como fator diferenciador e potenciador. Nesse sentido foram definidas diferentes atividades de modo a que fosse possível concretizar os objetivos de forma clara, alcançando os seguintes resultados:

  • Promoção da preservação da identidade genética com um incremento do efetivo em cerca de 20% nos 10 anos seguintes à implementação do projeto.
  • Caracterização do perfil bioquímico/ nutricional e reológico da carne do Jarmelo
  • Evidências da importância para a biodiversidade e sustentabilidade territorial da produção da carne do Jarmelo
  • Desenvolvimento de produtos que resultem do processamento, transformação e conservação da carne do Jarmelo
  • Caracterização das especificações da “carne do Jarmelo” tendo em vista a sua inserção em regimes de qualidade

—————————————————————————————————————————————

DESIGNAÇÃO DO PROJECTO: GoFigoProdução
CÓDIGO DO PROJECTO:
PDR 2020-1.0.1-FEADER-

OPERAÇÃO: 1.0.1. Grupos Operacionais

ID DA PARCERIA:  / Nº PARCEIROS: / BENEFICIÁRIO LÍDER DA PARCERIA: Não

ENTIDADE COORDENADORA: 

ENTIDADE BENEFICIÁRIA PARCEIRA: ASSOCIAÇÃO QUALIFICA / ORIGIN PORTUGAL

OBJECTIVO PRINCIPAL: Melhorar a qualidade e produtividade dos figueirais através da modernização das técnicas utilizadas e da eficiente utilização do solo

OBJECTIVOS E RESULTADOS ESPERADOS:

– Aumentar a qualidade e quantidade de produção de figo de forma eficiente, com focalização inicial nas variedades de Figo Preto de Torres Novas e Pingo Mel, devido à particular adaptação e originalidade do primeiro, e interesse comercial do segundo;

– Redução dos custos com mão de obra através da redução do porte das figueiras e simultaneamente aumento da segurança e melhoria das condições de trabalho;

– Aumento do calibre dos frutos de forma equilibrada e da sua qualidade, através da facilitação do respetivo manuseamento. A fertilização equilibrada induz maior calibre e qualidade aos figos assim como maior resistência à epiderme dos mesmos o que facilita o manuseamento e transporte;

– Conservar e aumentar o teor de matéria orgânica do solo através do coberto vegetal;

– Disseminar boas práticas de conservação e melhoria da capacidade de resposta do solo;

– Desenvolver estudos de métodos de prevenção e proteção da produção de figo, tendo em conta as substâncias ativas disponíveis e novos métodos adequados à cultura e ambientalmente sustentáveis;

– Divulgar boas práticas com base nos resultados de experiências de comparação entre figueiras mantidas segundo novas metodologias e figueirais mantidos de forma tradicional.

Resultados esperados

– Melhoria da resposta dos pomares às novas técnicas aplicadas, prevendo-se o aumento da produção e da qualidade dos figos e a redução dos custos de produção. A demonstração de resultados será baseada nos valores das análises feitas aos frutos, folhas e solo nos vários momentos de avaliação. Estas análises permitirão quantificar os indicadores previamente definidos e obter informação sobre os níveis de atingimento dos objetivos propostos.

– Pretende-se igualmente demonstrar, através da avaliação económica, que a aposta em pomares de figueiras pode ser financeiramente interessante, uma vez que é possível rentabilizar ao máximo toda a produção, comercializando-a sob diversas formas: figo fresco, seco e transformado. Neste último caso podemos considerar, como exemplos, os sumos, compotas, vinagres, álcool, iogurtes, doçaria, chocolate,  etc.

– Prevê-se igualmente desenvolver um Caderno de boas práticas agrícolas para a fileira do figo, baseado na evidência experimental.

– Melhoria da resposta dos pomares às novas técnicas aplicadas, prevendo-se o aumento da produção e da qualidade dos figos e a redução dos custos de produção. A demonstração de resultados será baseada nos valores das análises feitas aos frutos, folhas e solo nos vários momentos de avaliação. Estas análises permitirão quantificar os indicadores previamente definidos e obter informação sobre os níveis de atingimento dos objetivos propostos.

– Pretende-se igualmente demonstrar, através da avaliação económica, que a aposta em pomares de figueiras pode ser financeiramente interessante, uma vez que é possível rentabilizar ao máximo toda a produção, comercializando-a sob diversas formas: figo fresco, seco e transformado. Neste último caso podemos considerar, como exemplos, os sumos, compotas, vinagres, álcool, iogurtes, doçaria, chocolate,  etc.

– Prevê-se igualmente desenvolver um Caderno de boas práticas agrícolas para a fileira do figo, baseado na evidência experimental.